Olá!

Hoje é dia de Santo Antonio e a Beta do Literatura de Mulherzinha nos presenteia com um texto muito legal!

“Namora comigo” – culpada: Nora Roberts

Bem, os tempos estão mudados, modernos e tecnológicos e o conceito de “namorar” mudou muito. Se antes não podia nem ficar na mesma sala sem acompanhante,ver um pedaço do tornozelo era uma comoção, pegar na mão um rompante de desafio e o beijo era meio caminho andado pro altar, hoje em dia, podemos procurar compatibilidade em aplicativos ou levar nossos surtos para a terapia. E mesmo quem reclama do aspecto comercial do dia 12 de junho, tem que reconhecer que é bom amar e ser amado. Nossa querida Nora Roberts cansou de povoar nossas mentes com candidatos que aparecem para pedir a mão em namoro e você não se importa em atender ao pedido com despachar muito mais.

Então para inspirar algumas leituras nesta data, fiz uma listinha (de memória, portanto, peço perdão antecipado por algum esquecimento), totalmente inspirada por laços afetivos estabelecidos pelos respectivos personagens. Não está em ordem de “oh, esse é melhor que aquele”, embora quem acompanhe o Literatura de Mulherzinha  (se não for o seu caso, #ficaadica!!!) já sabe que ando muito apaixonada por um deles.

santo antonio virado

Bem vindos à lista “Jogo o Santo Antônio no poço* por…”

 

Sebastian Donovan: Dos primos Donovan, ele tem o poder da vidência. Homem lindo, alto, forte, aquela coisa “selvagem da motocicleta”. E quando se apaixonou, fez o possível e o impossível pra quebrar a resistência dela. Ah, sim, tem aquela coisa que a gente ama, know-how para fazer uma mulher se render a ele. Ô se tem…

fascinado

Ian MacGregor: Sim, ainda não li a série toda, mas o “gato de Harvard” não saiu da minha mente. Primeiro porque ele se encantou por uma garota tímida que gostava de livros. Segundo porque ele soube conquistá-la com romantismo e terceiro porque vinho e uma biblioteca formaram um cenário muito melhor. Apesar de ter feito um planejamento meio abelhudo para a vida dela, no fundo, sabia que ficariam juntos o tempo todo. Quem não quiser, atire a primeira pedra!

amor nunca é demais

Devin MacKade: Toda lista que se preze precisa de um “candidato a santo que abalou o mundo”. Devin passou o tempo todo fiel ao amor que sentia por uma mulher que não poderia ter. E pior: sabendo que ela sofria. E pior²: sabendo que poderia ajudá-la. E pior³: percebendo que ela nunca recorreria a ele. Até que pode agir e precisa de ainda mais paciência. Não sei se eu conseguiria isso, mas deve ser uma cena interessante ter um homem esbravejando que te ama (porque tem gente que só entende pegando no tranco).

Devin Mackade

Nikolai Davidov: o homem é pura sensualidade. Bailarino, gênio e temperamental, encantava pela arte e pela forma como inspirava os mais secretos pensamentos de qualquer mulher que o assistisse (sintam o poder do homem: eu apenas o imaginei dançando). Figurante na série Stanislaski, mereceu um livro próprio, porque todo mundo queria saber mais sobre ele. O romance aqui é temperado com muita paixão. Daquela de transformar mulheres adultas em pudim – e um pudim muito feliz.

 

Roarke: Que homem é esse? O favorito disparado das Noraholics. O homem perfeito, lindo, tesão, bonito e gostoso pra chuchu que comanda nossas imaginações na Série Mortal. Vindo diretamente do futuro para povoar mentes e espíritos com sua presença marcante, sensual e dominadora, impiedosa e agressiva. E não estamos falando de pseudominadores, o sistema aqui é sério e bruto. Roarke deveria constar no dicionário como a definição de “macho alfa”, o homem no comando, aquele que você simplesmente respeita por existir assim que entra no recinto. E claro que um homem assim não quer qualquer uma. Tem que ser A garota. Tão forte quanto ele… E infelizmente o cargo já tem dona. #chegamostarde!

origem mortal

MacAllister Booke: Ah, os atrapalhados. Ah, os geniais. Ah, os determinados. O cientista Mac chegou disposto a investigar os aspectos paranormais na Ilha das Três Irmãs, cenário da Trilogia da Magia. O moço consegue ser um lorde, inteligentíssimo e convicto de que vai ficar com a garota que escolheu. E ele a trata muito bem, seja em público ou apenas entre quatro paredes. Fala sério! Só a insana da Ripley precisou de tempo pra se convencer de que valia a pena. Você tem dúvidas?

Album de casamento

Carter Maguire: Ah, os quietinhos. Ah, os atrapalhados. Ah, os românticos. Ah, Carter Maguire… Por você, o Santo Antônio sofreria muito mais que cair no poço, ter o Menino Jesus roubado ou parar de cabeça pra baixo no congelador. Tudo aquilo que parece errado é tão certo que não tem como não querer imaginar uma criança estabanada correndo pela casa declamando Shakespeare antes de aprender a falar direito. Namoro é pouco, com esse eu casaria feliz 😀

 

E vale lembrar um detalhe: muitos destes homens tiveram que CONVENCER as criaturas pelas quais se apaixonaram. Portanto, fica a dica: quando identificarem um deles na rua área de cobertura, nada de fazer doce, hein, gente. Tem coisa que é fofo na ficção, porque lá a gente tem sempre certeza do happy end não importa a bobagem que eles façam. Na vida real, quem não arrisca, não petisca. Sim, preciso seguir este conselho. Só estou esperando um assim bater na minha porta ou esbarrar comigo por aí. Nora Roberts elevou meus padrões e o Santo Antônio que se vire pra dar conta!

 

Bacci!!!

 

Beta

 

* Se não entendeu o porquê do Santo Antônio no poço, clique aqui http://livroaguacomacucar.blogspot.com.br/2012/06/simpatias-para-santo-antonio.html.