Nora Roberts – Refúgio


Publicado originalmente em 26 de maio de 2020, como Hideaway.

Pré-venda amazon

“Refúgio é tudo que você poderia querer da icônica Nora Roberts: suspense, vingança e, é óbvio, romance.” ― PopSugar

A notícia de que a Editora Record adquiriu o direito de Hideaway, publicado nos Estados Unidos em maio desse ano, encheu meu coração de alegria…

Tá faltando agora só a Record completar a emoção e trazer mais dois livros da diva que são simplesmente estupendos (vou falar deles depois, mas anotem esses nomes aí: Chasing Fire e Black Hills).

Então… a pré-venda de Refúgio (título em português) já abriu e, por enquanto, a data de lançamento no site da Amazon é 7 de dezembro, mas só de sabermos que o bichinho está no forno, já tá valendo.

É emoção demais para esse meu coraçãozinho, minha gente…

E vou falar o porquê…

Que Nora é versátil e eclética em sua escrita, todo mundo sabe. Isso não é novidade nenhuma. E que ela vem surpreendendo a cada livro quando taca um suspense na trama, isso também é fato mais do que consumado.

Uma das coisas que tenho notado na escrita da Nora é que ela vem dividindo seus enredos em partes. Com Hideaway não é diferente.

O livro é separado em etapas que representam a passagem dos anos durante a trama.

Vou tentar de todo jeito não dar spoiler aqui, mas é difícil demais me controlar. Principalmente quando estou falando sobre Nora Diva Roberts.

Okay, vamos por partes, como faria o Jack, o Estripador (piada meio mórbida, mas dado a temática do livro, tá show…)

A família Sullivan pode ser considerada a realeza de Hollywood. A primeira parte do livro, inclusive, apresenta algumas cenas do patriarca, o cara bacana que saiu lá da Irlanda atrás do sonho de se tornar um ator famoso.

Ele começa no teatro, vai subindo os degraus até conquistar o posto de ‘todo poderoso’ da indústria cinematográfica.

Aí esse talento todo vai sendo transmitido para os herdeiros. Ele tem um filho, que tem um filho, que tem uma filha: nossa mocinha.

A Caitlyn começa a atuar bem nova também. Aos dez anos ela já tem um currículo invejável, sendo que o avô sempre faz questão de colocar a garotinha em suas produções. Enfim, um prodígio.

Nascida e criada em meio ao estrelato, nada mais justo você imaginar que a vida dela é cercada de luxos e tals.

Okay, não dava pra ser sempre um mar de rosas, né? Então você pode imaginar que ela tem uma mãe meio que tosca pra cacete. Uma atriz interesseira que muito provavelmente deu uma chave de pernas no pai da Caitlyn. Pensa aí… o cara era um ator famoso, filho, neto e bisneto da nata hollywoodiana. A mulher no mínimo fez de tudo e mais um pouco para conseguir, finalmente, atuar em um filme… através dos ‘contatos imediatos de terceiro grau’ com o bonitão.

O pai da Caitlyn foi meio burro de ter caído na lábia da vadia, mas ele é um cara bacana e que estava apaixonado. Tadinho… eu pegaria facilmente para dar um consolo. Só dizendo…

Tá, Martinha… cadê o suspense e a ação?

A trama toda se passa em Big Sur, uma região mais ao norte na Pacific Coast Highway, ou Highway 1. Pra quem não sabe, essa rodovia é considerada uma das mais bonitas do mundo, e posso garantir que é verdadeiríssima essa afirmativa, já que passei por ela em janeiro desse ano.

Por do Sol em Big Sur

São mais de 200 quilômetros de estrada margeando a costa do Pacífico, com paisagens belíssimas e de tirar o fôlego. Saindo de Carmel ou Monterey, você vai seguindo em direção ao trecho onde se localiza a Big Sur. É lá que tem a famosa Bixby Bridge, que se você vasculhar aí no seu cérebro, vai acabar se lembrando de já ter visto em algum filme de Hollywood. Inclusive, esse trecho da Highway 1 já foi palco de muitos ‘acidentes’ cinematográficos.

Bixby Bridge

Então… pense aí que para ter uma casa com essa vista privilegiada, o povo tem que ser bem de grana, e dinheiro é o que não falta para a família Sullivan.

Daí, num evento no local, a galera tá toda reunida para celebrar a vida do patriarca que faleceu há um tempo. A propriedade que ele possui lá é magnífica, e nesse dia, a viúva do véi diz que vai deixar o lugar para o filho (que calha de ser o avô da Caitlyn).

No início você dá uma confundida em quem é quem, mas depois vai se acostumando.

Certo… Nossa Cate, aos dez anos, se embrenha em uma brincadeira de pique-esconde com a primaiada, nesse evento na mega ultra blaster mansão… E… é sequestrada.

Os safados ligam pra família exigindo 10 milhões de dólares… essa coisa toda de sequestro e nada de polícia e blablabla.

O que eles não contavam é que a Cate é esperta pacas. Ela dá um jeito de vazar do cativeiro e vai andando pela floresta até chegar a um rancho, onde conhece a família Cooper.

Alerta para corações acelerados quando vocês finalmente tiverem um vislumbre do jovem Dillon Cooper. Ele é fofo, inteligente e um gentleman, mesmo aos 13 anos.

Bom, o lance todo aí já se resolve no início. A polícia descobre o esquema e, pasmem… a bichinha foi vítima de uma traição cruel e capaz de gerar um trauma forever.

A galera envolvida é presa e pah.

O tempo passa e entra a parte 2. Cate some dos States, fica uma temporada de uns 7 anos na Irlanda e, adolescente, decide voltar e, quem sabe, voltar a atuar.

O problema todo começa quando ela passa a ser ameaçada por ligações estranhas e desconcertantes.

Gente… se eu falar muito, vou dar spoiler.

O que vocês precisam saber é que ela vai ter, ao longo dos anos (porque o pico da história mesmo se dá quando ela já está com uns vinte e poucos, lá na parte 3), que buscar um refúgio (daí o nome do book) e que acaba sendo o lugar que seu bisavô mais amava: Big Sur.

E quem mora em Big Sur? Hein? Nosso delicinha, Dillon Cooper. O cara sempre quis ser um rancheiro e levar a fazenda da mãe e da avó pra frente.

Não preciso dizer nada que os dois se reencontram e que as faíscas cintilam loucamente, né?

O suspense não para, porque a Cate vai começar a ser caçada. Tudo em nome de uma vingança sem sentido.

E é isso aí.

Livro MA-RA-VI-LHO-SO.

Dillon entrou pra minha lista interminável de mocinhos sensacionais e que eu queria pra mim…

Nora sabe criar como ninguém personagens tão cativantes e reais que é quase como se você estivesse sentada lá, do lado deles, na cozinha, comendo alguma coisa (alguém aí sente uma fome da peste quando lê os livros dela?).

Fica a dica pra vocês irem sem medo.

Coloca o nome REFÚGIO na lista, entra no Amazon e já garanta a sua pré-venda.

Garanto que será uma leitura recheada de emoções intensas, tremores, suspiros e tudo o mais que um livro da Nora pode gerar.

Beijooooo

Martinha Fagundes, vulgo, MS Fayes.

**Crédito das Fotos: Martinha Fagundes

Capa, ficha técnica, sinopse

Refúgio

Hideway

Nora Roberts

ISBN: 9788528624786
Editora: Bertrand Brasil
Número de páginas: 490
Encadernação: Brochura
Formato: 16 X 23 cm
Ano Edição: 2020

Sinopse

Caitlyn Sullivan descende de uma longa linhagem de atores de Hollywood, desde seu bisavô Liam Sullivan, imigrante da Irlanda. Aos dez anos, Cate já era uma estrela ― e, ao mesmo tempo, uma criança inocente que adorava brincar de pique-esconde com os primos no rancho da família, na zona costeira da Califórnia.

Foi durante uma dessas brincadeiras que ela desapareceu…

Aos olhos de alguns, ela parecia uma princesinha mimada, mas Cate era, na verdade, uma menina inteligente e determinada, a ponto de conseguir escapar de seus sequestradores sozinha. Dillon Cooper ficou chocado ao encontrar uma garotinha exausta e ensanguentada se escondendo em sua casa ― mas, quando o jovem e sua família ouviram sua história, ofereceram refúgio e amparo, reunindo-a com os entes queridos.

A provação de Cate, porém, estava longe de terminar. Primeiro veio a descoberta de uma traição cruel que mandaria alguém muito próximo para trás das grades. Depois, anos isolada na costa oeste da Irlanda, um lugar que oferecia a paz e a segurança de que precisava para curar suas feridas, mas uma angústia a devorava por dentro.

Finalmente, ela decide voltar para Los Angeles, reunindo coragem para retomar sua carreira como atriz e superar o trauma que tirou sua vida dos trilhos. O que Cate não sabe, porém, é que, desde aquela noite, tantos anos atrás, duas sementes foram plantadas e vêm germinando: uma de um grande amor, e outra, de uma terrível vingança.

Capa original

Previous resultado #NoraDay2020
This is the most recent story.

1 Comment

  1. Sandra Rivaldo
    03/12/2020
    Responder

    Aguardando ansiosamente a próxima semana kkkkk

Responda

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *