Este é o 11 livro da Série Mortal. Publicado originalmente Judgment in Death em setembro de 2000.

A justiceira. Destemida, a tenente Eve Dallas enfrenta um assassino e tenta pôr fim na corrupção de Nova York.

Eu gostei muito deste livro. Ele tem uma história bem próxima da realidade que conhecemos, um mundo com corrupção policial, que para mim é uma das piores, pois é a base de nossa segurança.

Epígrafe

Os vícios do poder são basicamente quatro:

a demora, a corrupção, a irregularidade e as facilidades.

— Francis Bacon

Um casamento é mais do que quatro pernas nuas sobre uma cama.

— John Heywood

Ficha técnica, sinopse e capas:

Julgamento Mortal (Judgment In Death)

J. D. Robb

Editora: Bertrand Brasil
ISBN:9788528613735
Número de páginas: 434
Encadernação: Brochura
Edição: 2009

Ela chega e, a partir desse instante, a vítima lhe pertence.
Um assassino de policiais ataca em uma boate chamada Purgatório. A tenente Eve Dallas desce ao inferno do submundo do crime, a fim de descobrir quem está matando seus colegas de farda.
Em uma boate de striptease, na parte norte da cidade, um tira é encontrado morto, cruelmente massacrado por um taco de beisebol. O crime? Um mistério, um surpreendente assassinato, que coloca Dallas em uma corrida desenfreada rumo à justiça e à ordem.
Eve comanda uma eletrizante investigação que revela um fato assustador: o clube privê onde ocorreu o crime é mais do que um lugar da moda. A boate Purgatório representa a última oportunidade de redenção – ali todos passam pelo julgamento final.
O destino dos considerados culpados tem conexão direta com seus pecados mais íntimos, e os segredos dos corruptos lançam almas inocentes em uma condenação regada a vícios e poder.

Trecho do livro:

“Esperta, pensou Eve. Ela sabia que Nadine fizera uma pesquisa rápida e abrangente sobre as duas vítimas e certamente descobrira que os dois homens haviam trabalhado juntos no caso Ricker. Mas a repórter era engenhosa o bastante para não citar o suspeito sem receber sinal verde de Eve.
– Essa ligação e outras provas que a polícia ainda não pode divulgar nos levam a crer que tanto o detetive Kohli quanto o tenente Mills foram mortos pelo mesmo indivíduo. Além de ambos estarem lotados na 128ª DP, os dois policiais trabalharam juntos em alguns casos específicos. Esta será nossa linha de investigação. A polícia de Nova York e a Secretaria de Segurança Pública usarão todos os meios ao seu alcance para caçar, identificar e levar aos tribunais o assassino de dois de seus servidores.” (p. 158)

Capa:

bjs

Até mais

Rosana